LESÃO EM LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR | Sintomas, Tratamento

Lesão ligamento cruzado anterior

O Ligamento cruzado anterior (LCA) é uma estrutura originada no fêmur e inserindo-se na tíbia, sendo assim responsável por boa parte da estabilidade do joelho em sua flexão e extensão.

Mecanismo de lesão:

As lesões ocorrem geralmente por mecanismos onde o stress no ligamento é grande o suficiente para causar ruptura, esta podendo ser parcial ou total, dependendo da força, movimento e alongamento.

Quase sempre a lesão é dada por uma manobra de torção e desaceleração súbita geralmente seguida de estalos e hemartroses (derrame sanguíneo na articulação) presente dentro de poucas horas.

O mecanismo de lesão mais comum do LCA ocorre nas práticas esportivas quando o pé fica fixo no chão e promove uma força de rotação do joelho, onde frequentemente são observadas também lesões do ligamento colateral medial ou lateral e lesão meniscal.

Sinais e Sintomas:

Os principais sintomas são:

Dor importante no momento da entorse. Dentre os pacientes, 33% relatam ter ouvido um estalo na hora da lesão.

– Edema e derrame articular devido à ruptura do ligamento, podendo ocorrer sangramento dentro da articulação (hermatrose).

– Limitação da movimentação do joelho.

– Sensação de “falseio”, comumente relatado como “algo que se desencaixa”, devido à instabilidade ocasionada pela lesão.

Diagnóstico:

Antes mesmo de começar o exame físico, é necessário colher uma anamnese detalhada acerca dos mecanismos da lesão. Como machucou? Caiu? Bateu? Torceu? Quanto tempo tem?

No exame físico três manobras são importantes:

– Gaveta anterior

– Pivot Shift

– Teste de Lachman (maior certeza de lesão de LCA)

Nas lesões ligamentares o exame radiológico não é muito útil, sendo utilizado apenas para avaliar lesões por arrancamento. O padrão ouro para diagnóstico nesses casos é a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) que além de lesões ligamentares, ainda é útil na detecção de lesões de menisco.

Outro exame preciso é a artroscopia, pois ela permite a visualização de rupturas e identifica ligamentos intactos através de instrumentos que possuem um sistema de lentes e iluminação que transmitem imagens para uma tela maior.

Tratamento:

Quanto ao tratamento, dividimos os pacientes em dois grupos: Os que se beneficiam do tratamento conservador e os que necessitam de intervenção cirúrgica.

Tratamento conservador:

Geralmente quando a lesão é parcial, quando o paciente não pratica esporte ou já tem uma idade avançada, o tratamento será conservador. Dividimos o tratamento conservador em duas fases: O tratamento de fase aguda e o de fase crônica.

  • Fase aguda: Inicia-se logo após o trauma e visa principalmente diminuir a dor, a inflamação, restaurar amplitude de movimentos e restabelecer o controle muscular. Isso se dará através de:

– Uso de compressão e gelo associados ou a analgésicos ou AINE (Anti Inflamatórios Não Esteroidais)

– Exercícios de flexo-extensão assistidos e alongamentos visando aumentar o arco de movimento.

– Uso de muletas para descarga parcial do peso

  • Fase Crônica: Esta etapa do tratamento inicia-se logo depois de atingidas as metas anteriores (3 semanas), e tem por base 4 parâmetros:

a- Trabalho muscular

b-Treino de propriocepção (percepção do próprio corpo)

c- Orteses

d- Reeducação esportiva

Tratamento cirúrgico:

Geralmente realizado em pacientes jovens com instabilidade do joelho. O tratamento cirúrgico é importante, pois além de fornecer estabilidade necessária ao joelho nas atividades diárias e práticas esportivas, ajuda também a prevenir lesões degenerativas meniscais e artrose do joelho em longo prazo.

Geralmente aguardamos 6 semanas do momento do trauma para a realização da cirurgia, período suficiente para controlar todo processo inflamatório do joelho e ter um melhor resultado pós operatório

Como colaborar com o tratamento?

Fique em repouso:Faça movimentos apenas para as necessidades básicas diárias e evite caminhadas.

Use compressas de gelo: As compressas devem ser realizadas na parte da frente do joelho, a chamada face anterior, por 20 minutos, quatro vezes por dia.

Proteja o membro acometido: É importante diminuir ou deixar de fazer esforço com a perna acometida, utilizando muletas, bengala ou andador.

Mantenha o apoio adequado: Eleve a perna afetada, colocando-a sobre um apoio (um travesseiro, por exemplo).

Autor(a): 

Médico formado pela Faculdade de Medicina de Valença-RJ.

Dúvidas serão respondidas apenas em nosso FORUM, entre e faça sua pergunta.

 

34 Comentários para “LESÃO EM LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR | Sintomas, Tratamento”

  1. EDVALDO FERREIRA disse:

    sofri uma queda praticando futebol e logo melhorei, com um tempo voltei a machucar o joelho inchou e doeu muito, um medico disse que teria que fazer uma cirurgia como sei se é obrigado fazer.

  2. André Meneses disse:

    Olá,
    Boa tarde!
    Estava jogando bola e levei uma pancada na parte externa do joelho esquerdo,na hora doeu muito mais deu pra continuar.Desde então não posso mais dobrar minha perna na posição de meditação e algumas outras formas que meu joelho dói muito,também sinto alguns estalos.
    O que pode ter acontecido?
    Quais as complicações se não tratar?

    Ah jogo bola regularmente e forço muito!

    Obrigado!

Deixe seu Comentário

You must be logged in to post a comment.