GRAVIDEZ DE GÊMEOS | Gestação Gemelar

Gravidez gêmeos

A Prenhez gemelar, ou gestação gemelar teve sua incidência aumentada nos últimos tempos devido alguns fatores, como por exemplo o uso de drogas indutoras de ovulação, a reprodução assistida, a idade materna avançada e ao fatores nutricionais (mulheres altas e com sobrepeso). Também são fatores de risco para a gestação gemelar, a história materna positiva para gêmeos e a raça, sendo mais comuns em negros e menos comuns em asiáticos.

A gestação gemelar tem a seguinte classificação:

  • Número de fetos: gestação dupla, tripla, quádrupla…
  • Número de óvulos fertilizados: zigotia
  • Número de placentas: corionia
  • Número de cavidades amnióticas: amnionia

Quando diz-se que são gêmeos monozigóticos é porque são idênticos, frutos de um único óvulo fecundado por um único espermatozóide que se dividiu, pode haver uma ou mais placentas mas obrigatoriamente tem o mesmo sexo. O contrário ocorre com gêmeos dizigóticos, que são resultado de dois óvulos, cada um fecundado por um espermatozóide, estes possuem duas placentas e podem ter o mesmo sexo ou não, são os chamados gêmeos fraternos.

É comum haver a redução espontânea ainda no início da gestação, quando um dos fetos é reabsorvido pelo organismo materno, e a gestção tem continuidade apenas com o outro feto.

O diagnóstico é dado preferencialmente pelo exame de Ultrassonografia, mas pode-se observar alguns sinais na gestante, como ganho de peso maior que nas gestações únicas (12 a 20 Kg) e crescimento da barriga mais acelerado. Gestantes de gêmeos também queixam-se mais de dispnéia (dificuldade para respirar).

As complicações de uma gestação gemelar incluem:

  • Anemia;
  • Êmese acentuada ou hiperêmese gravídica (vômitos normais ou exagerados que necessitam de medicação);
  • Hipertensão (pressão alta durante a gestação);
  • Polidramnia (muito líquido amniótico);
  • Abortamento;
  • Edema (inchaço) de membros inferiores;
  • Varizes de membros inferiores e vilva;
  • Estrias gravídicas;
  • Amniorrexe prematura (rompimento da bolsa antes do tempo);
  • Parto prematuro (com menos de 37 semanas de gestação);
  • Recém-nascido de baixo peso;
  • Crescimento fetal discordante, quando a diferença entre o peso dos fetos é maior que 20%, e ocorre principalmente devido à Síndrome de Transfusão Feto-fetal, um dos fetos passa a não receber o suprimento sanguíneo adequado para seu desenvolvimento, enquanto o outro recebe além do necessário e corre o risco de nascer com insuficiência cardíaca e peso elevado, enquanto o feto doador nasce com anemia, hipoglicemia e pálido.

Autor(a): 

Graduanda em Medicina pela Universidade Presidente Antônio Carlos, UNIPAC - Araguari.

Dúvidas serão respondidas apenas em nosso FORUM, entre e faça sua pergunta.

 

Deixe seu Comentário


7 + = 16