CÂNCER DE MAMA | Sinais, Tratamento, Prevenção

Câncer de mama

O Câncer de Mama:

Doença na qual células cancerígenas se desenvolvem no tecido mamário.

Ocorre quando células se dividem de forma descontrolada ou desordenada formando uma massa chamada de neoplasma ou tumor. O termo câncer se refere a tumores malignos, estes podem atingir os tecidos em volta do tumor ou disseminar para outras partes do corpo. Raramente acomete o sexo masculino sendo nestes casos mais agressivo.

Fatores de Risco:

– Sexo: feminino (a cada 100 mulheres 1 homem)
– Idade: 50 anos ou mais (o risco aumenta com a idade)
– História pessoal de câncer de mama
– Historia familiar de câncer de mama (mãe, irmã ou filha)
– Mudanças no tecido mamário, como hiperplasia ductal atípica, formação de cicatriz radial e carcinoma lobular in situ (LCIS)
– Alterações genéticas (BRCA1, BRCA2 e outros)
– Raça: caucasiana
Tabagismo
– Maior exposição ao estrogênio durante a vida:

– Início da menstruação precoce (menarca precoce)
– Início da menopausa tardio (menopausa tardia)
– Ter filhos muito tarde ou não ter filhos
– Não amamentar
– Terapia de reposição hormonal por longos períodos
– Aumento da consistência da mama (mais tecido lobular e ductal e menos tecido gorduroso)
– Radioterapia antes dos 30 anos de vida
– Abuso de bebidas alcoólicas

Muitas mulheres que apresentam o câncer de mama não tiveram qualquer um dos fatores citados acima, exceto a idade.

Sinais e Sintomas:

No inicio principalmente pode ser assintomático. Mas à medida que evolui, pode causar as seguintes mudanças:

– Nódulo (caroço) ou espessamento na mama, na área ao redor, nas axilas ou no pescoço que pode ser endurecido, irregular e aderido a planos vizinhos
– Alteração do tamanho e formato do seio
– Secreção de liquido claro ou sanguinolento
– Inversão do mamilo (virado para dentro do seio) ou retrações no seio
– Sulcos ou sinais na pele (como a casca de laranja, edema ou ulcerações)
– Mudança na aparência ou sensibilidade da mama, da aréola ou do mamilo (por exemplo, calor, inchaço, vermelhidão ou descamação)

Diagnóstico:

Quadro clinico + exame físico + exames complementares.

Entre os exames estão:

– Exame clínico da mama – observando presença ou não de nódulo e sua característica
– Mamografia – usada para visualizar nódulos ou outras alterações no tecido da mama
– Ultrassonografia-ondas sonoras de alta freqüência para ver se o nódulo ou caroço é um cisto cheio de líquido ou uma massa sólida
– Biópsia – retirada de uma parte do tumor para examinar se há células cancerígenas ou não. Entre os tipos de biópsia estão:

– Aspiração por agulha fina – remoção de líquido e/ou células do nódulo através de uma agulha fina
– Biópsia com agulha – remoção por agulha do tecido de uma parte do tecido mamário que parece suspeito na mamografia
– Biópsia cirúrgica:

– Biópsia incisional – corte de um pedaço do nódulo ou da área suspeita

– Biópsia excisional – remoção do todo nódulo ou área suspeita com uma área de tecido saudável em torno das bordas

– Avaliação do tecido – o tecido do câncer de mama é examinado e procura se observar se este responde ou não aos hormônios (estrogênio e progesterona), bem como quanto à presença de HER2; esses são testes utilizados para ajudar a planejar o tratamento.
– Exame genético – o sangue é avaliado em busca de alterações genéticas especificas em determinados pacientes.

Tratamento:

O tratamento depende do estadiamento do câncer de mama, ou seja, se é um tumor mais localizado ou mais disseminado.

Entre os tratamentos estão:

- Cirurgia:

– Quadrantectomia – remove o câncer e o tecido normal em volta dele. Com freqüência, também se remove alguns linfonodos da axila.
– Segmentectomia – remoção do câncer e de uma área maior de tecido da MAM em volta dele.
– Mastectomia simples – remove a mama ou o máximo possível dela.
– Mastectomia radical – remoção da mama, incluindo os músculos peitorais, nódulos linfáticos da axila além de gordura e pele adicionais. Considerado apenas em casos raros. Realizado se o câncer tiver se disseminado para os músculos peitorais
– Mastectomia radical modificada – remove toda a mama, os nódulos linfáticos axilares e, com freqüência, do tecido sob os músculos peitorais.
– Dissecção axilar de nódulos linfáticos – remoção dos nódulos linfáticos da axila. Ajuda a determinar se as células cancerígenas se disseminaram para o sistema linfático.
– Biópsia de nódulo linfático sentinela – uma pequena quantidade de contraste azul e/ou elemento radioativo é inserida na área em que o tumor está localizado. Este contraste ou elemento é acompanhado até a axila. Os nódulos linfáticos que absorvem a substância serão removidos. A precisão desse procedimento ultrapassa 95% quando realizado por profissionais experientes. Identifica com segurança os nódulos linfáticos que podem ter câncer.  Geralmente é realizado em mulheres que não apresentam nódulo linfático palpável.

- Radioterapia: é o uso de radiação para eliminar células cancerosas e diminuir os tumores. Pode ser externa, quando a radiação direcionada vem de uma fonte externa ao corpo, ou interna, quando o material radioativo é colocado dentro da mama na célula cancerígena ou próximo a ela.

- Quimioterapia: Mata as células do câncer com o uso de medicamentos específicos. Existem na forma de – comprimidos, injeção e via cateter. Algumas células saudáveis também acabam morrendo durante a terapia.

- Terapia biológica: são medicamentos ou substâncias produzidas pelo corpo que melhoram a defesa natural do organismo contra a doença. Também chamada de terapia modificadora da resposta biológica (MRB).

- Terapia hormonal: foi criada pelo fato de que muitos tipos de câncer de mama são “sensíveis ao estrogênio”. Como o estrogênio estimula a proliferação do tumor, estes medicamentos impedem a ligação deste ao câncer, levando assim a diminuição da massa tumoral, previnem ou atrasam a recorrência do câncer de mama.

Prevenção:

A detecção precoce e tratamento e o melhor meio de prevenir a morte por esta doença. É de extrema importância a realização do rastreio do câncer de mama, para que este possa ser diagnosticado em seus estágios iniciais, ou seja, em fases ainda assintomáticas

Recomendam-se as seguintes medidas:

– Mamografia:

– De 40 a 49 anos – as recomendações variam desde aguardar até os 50 anos a realizar exames de prevenção anualmente ou a cada 2 anos.
– De 50 a 74 anos – pode ser anual ou a cada 2 anos

– Exame clínico da mama:

– De 20 a 39 anos-anual ou a cada 3 anos
– De 40 anos em diante-anual

Auto-exame da mama

– Auto-exame da mama:

– De 20 anos em diante

Se a paciente tiver maior risco de desenvolver câncer de mama o rastreio deverá ser iniciado precocemente. O médico deverá ser procurado para decidir qual o melhor programa de rastreio a ser empregado.

Fotos:

Separamos algumas fotos de Câncer de Mama para que possam ter uma melhor compreensão da doença. Veja: FOTOS DE CÂNCER DE MAMA

Dúvidas serão respondidas apenas em nosso FORUM, entre e faça sua pergunta.

 

4 Comentários para “CÂNCER DE MAMA | Sinais, Tratamento, Prevenção”

  1. Cristiano Mendonça disse:

    Eu sou aluno do 4ªsemestre de tecnologia me radiologia na Universidade nove de julho(uninove). Tenho um projeto para apresentar com assunto do HD: câncer de mama.
    Uma atividade muito diferente da minha realidade de trabalho, pois, tenho muita experiência no setor da ortopedia e traumatismo. Muito obrigado pela pagina, vai me ajudar muito!

  2. Leonor Reis disse:

    Eu tenho muito medo de apanhar a doença, e não consigo fazer o auto exame.
    gostaria de me previnir, mas não sei como, que deus faça milagre e curi todos os doente com cancer, lutam pra vencer

  3. rosangela ap. oliveira dos santos disse:

    Olá, gostaria de saber se uma alteração na mama, onde uma mama apresenta um tamanho considerável maior que a outa, pode ter algum risco? Obrigado.

  4. elizabete camara disse:

    minha mãe estava com um nódulo na mama esquerda um pouco grande e rígido, ela foi operada há vinte dias em Sorocaba ; para remoção do mesmo, foi utilizado um líquido azul para melhor localização ,não foi removida a mama ´só o nódulo enfim na cirurgia correu tudo bem agora após os vinte dias de cirurgia começou inchar a mama operada, tenho a impressão de ser líquido acumulado é claro que ela irá ao médico em breve para saber resultado da biópsia mas estamos assustadas com o inchaço é normal isso se for líquido será necessário fazer a drenagem me envie uma resposta porfavor

Deixe seu Comentário

Faça seu login para comentar clique aqui.