AMEBÍASE | Sintomas, Tratamento, Prevenção

Ameba

Amebíase é uma parasitose intestinal causada pelo protozoário Entamoeba histolytica, muito relacionada à condições higiênicas, o que justifica sua disseminação maior em áreas em que o saneamento básico é precário. A maioria dos pacientes contaminados são assintomáticos, e transmitem a doença por via oral-fecal, mesmo sem saberem que estão infectados. Os pacientes assintomáticos podem apresentar desde sinais leves até quadros graves, envolvendo fígado, pulmões e cérebro, principalmente.

Agente etiológico e transmissão:

O agente etiológico é a Entamoeba histolytica, que vive no intestino como trofozoíta. Posteriormente esse trofozoíta se transforma em um cisto, que após amadurecimento, é liberado juntamente com as fezes. O homem então ingere esse cisto, que vai estar localizado em água ou alimentos contaminados, principalmente, e pela ação dos líquidos digestivos, se torna uma ameba. Essa ameba parasita o intestino e desenvolve a doença de forma sintomática ou não.

Sinais e Sintomas:

O quadro clínico varia desde a forma assintomática até manifestações da amebíase invasiva, sendo que a maioria dos casos é assintomático. As formas sintomáticas são divididas em forma intestinal, na qual o paciente apresenta cólica, dor abdominal e diarreia mucosanguinolenta (com muco, sangue e pus); e extra-intestinal, estágio em que o protozoário atinge a corrente sanguínea e acomete preferencialmente fígado, pulmão e cérebro. Nesta fase, o paciente pode desenvolver abscessos hepáticos, caracterizando um quadro clínico com dor em hipocôndrio direito, hepatomegalia (aumento do fígado), febre e sudorese noturna; podendo também, desenvolver abscessos pulmonares e cerebrais.

Diagnósticos diferenciais:

Giardíase, doença inflamatória intestinal, colite isquêmica, diverticulite.

Diagnóstico:

O diagnóstico pode ser feito através da pesquisa de cisto ou trofozoítos nas fezes, sendo necessário pelo menos 3 amostras de fezes. Porém, é confirmado através da visualização de hemácias fagocitadas nos trofozoítos.

Tratamento:

A amebíase deve sempre ser tratada, apresentando sintoma ou não. As drogas de primeira escolha são os imidazólicos, ou seja, Metronidazol, Secnidazol ou Tinidazol. Nas formas intestinais pouco sintomáticas, o medicamento de primeira escolha é o Secnidazol 2g, dose única. Já nas formas graves, usa-se preferencialmente o Metronidazol, 750 mg, VO, de 8 em 8 horas, durante 2 dias.

Deve-se realizar o controle da cura entre o 7º e o 15º dia após o término do tratamento, através do exame de fezes com três amostras.

Prevenção:

A prevenção da amebíase é feita através da melhoria do saneamento básico, da higiene pessoal e alimentar.

Dúvidas serão respondidas apenas em nosso FORUM, entre e faça sua pergunta.

 

Deixe seu Comentário

Faça seu login para comentar clique aqui.